3

 

As notícias sobre a crise do mercado livreiro têm dominado o noticiário nos últimos tempos. Os pedidos de recuperação de tradicionais redes de livrarias são mais um capítulo na agitada história recente do segmento.

Nós, da Livraria Leitura, acreditamos que em tempos difíceis é que são forjadas as melhores ideias e soluções, então ao invés de lamentar as dificuldades, preferimos reafirmar nossa crença inabalável na força deste mercado e do seu principal produto: o livro!

Independentemente do formato, temos a convicção de que o livro seguirá encantando gerações e difundindo nossos conhecimentos, histórias e cultura.

Apesar da idade, nosso amigo mais antigo foi a única mídia que resistiu ao tempo e não capitulou ao avanço tecnológico, seguindo forte e impassível rumo ao futuro.

E que futuro será esse? Será digital, sempre foi a previsão mais recorrente. Agora já se diz que será figital, com o cruzamento do mundo físico e digital. Seja como for, lá estará o livro e a cadeia ao seu redor, com autores, editores, distribuidores e livreiros comprometidos em levar aos leitores a melhor experiência possível.

A Leitura sempre esteve atenta a esses movimentos e por isso está atravessando a crise, que é geral e não só dos livros, com a mesma determinação e solidez que sempre marcaram os seus mais de 50 anos de história.

Enquanto o mercado retraía, continuamos expandindo o número de lojas físicas, pois sempre acreditamos que nada substituirá um passeio pelas prateleiras de uma boa livraria, com o cheiro do papel inundando nossos sentidos. Hoje já são 70 unidades em 19 estados e para o ano de 2019 existe a previsão de abertura de pelo menos outras 7 novas lojas.

Paralelamente, sempre alinhados com os novos hábitos de consumo, retomaremos as vendas pela internet com o propósito de oferecer variados canais de atendimento aos nossos clientes.

Em 2018 também lançamos o nosso clube de assinaturas (Clube Leitura), adquirimos a tradicional editora mineira Itatiaia e incrementamos nosso projeto de importação e desenvolvimento de linhas próprias, tudo com o objetivo de oferecer um variado mix de produtos e uma experiência de compra diferenciada aos nossos clientes.

Isso tudo foi possível não só porque somos apaixonados pelo que fazemos, mas pela consciência de que não se mantém um negócio apenas com paixão, mas também com uma administração responsável e austera, o que nos permitiu a manutenção de uma operação saudável e um lugar de destaque entre as grandes redes de livrarias do país.

A crise é séria, mas diante de tantas realizações só podemos encarar com otimismo o que está por vir. A tendência mundial é de recuperação das livrarias; no mercado nacional houve aumento do número de livros vendidos em 2018; nossas campanhas e promoções estão conseguindo alcançar um número cada vez maior de leitores; e o crescimento vertiginoso dos segmentos infantis e juvenis demostra a pujança do livro nas novas gerações.

Se no noticiário têm prevalecido as informações negativas, a reação positiva do público e dos agentes do mercado também fez crescer nosso otimismo. Nas últimas semanas surgiram movimentos espontâneos de apoio ao livro que nos encheram de orgulho e animação.

Desde a carta aberta do Luiz Schwarcz, presidente da Cia. Das Letras, propondo uma rede de solidariedade e a compra de livros como presentes, passando por iniciativas como as #Comprelivrosnalivraria; #LivroénaLivraria; #desafiodaslivrarias; ou mesmo por uma campanha mais abrangente como a #vempralivraria, tudo convergiu para uma grande manifestação pública de amor aos livros.

A crise passará, o mercado se readequará e o livro resistirá, pois não existe rede de proteção maior do que a formada por tantos leitores apaixonados.

Viva o livro!

Leandro Teles Corrêa – Diretor Comercial